Wörthersee – dia 3 (17/05) – Quase durmi na estação de trem

Acordei as 9:00, desisti do radio relógio do hotel e usei o meu celular tocando Tunak Tunak no talo, e felizmente o dia estava lindo.


Andei um monte até o mercado para comprar o shampoo, com o cabelo todo desgrenhado e sujo, e descobri que aqui não dão sacolinha no mercado tambem.
Depois de me aprontar, fui novamente esperar o barco, foram quase 40 minutos de espera.


Dessa vez levei o note para o evento, aproveitei o tempo no barco para escrever o rascunho do post do dia 2, apesar de ter esquecido as folhas que eu tinha escrito o post a mão na noite anterior.
Quando cheguei na sala de imprensa caiu a ficha que fiquei comprando coca a toa no primeiro dia do evento, pois lá tinha vários sucos e redbull free (pobre é uma droga mesmo).
Ao sair para a varanda, fiquei absmado com a quantidade de gente e carros, era muito superior ao dia anterior que eu já tinha achado lotado, fiquei bastante animado e mudei os planos, que eram de chegar e publicar o post do dia 2, e sai para gravar.


Toda animação acabou logo, era tanta gente, que ficou impossivel de gravar 5s se alguem entrar na frente. Resolvi desencanar um pouco dos vídeos e comecei a fotografar para não ficar sem fazer nada.


Depois de um tempo surgiram algumas “modelos” em poucos stands, as do Stand da Murauer a parte mais light era “cuspir” a bebida na boca do escolhido a mais de 1m de distancia.


No Stand da Skoda tinha um utilitário com as rodas traseiras em uma base cheia de água barrenta, e algumas pessoas iam atrás do carro, com a própria calça, só para ter a “emoção” de levar um banho de lama do utilitário.


Pretendia ir embora cedo, mas quando vi a fila do barco acabei desistindo e fiquei sabendo que teria o show do Tiesto as 18h, perto das 18h fui até a área do show e estava bem muvucado no portão que estava fechado antes da parte de acesso ao show e só tinha aquele acesso, fui pedindo licensa e passando, até mais um virgem parar na minha frente com flayers do show na mão e perguntando se eu queria, rindo, cobrando 10 euros. Falei que não precisava e pedi licensa para continuar passando, ai ele falou algo sobre eu ser italiano e mimimi, esse eu mandei a merda com todas as letras e segui até o portão onde liberaram o meu acesso e ele ficou olhando com cara de bunda.

Fui me informar de como fazia para ir para a parte dos fotógrafos e me avisaram que o show iria atrasar uma hora e meia, e que eu não poderia ficar na área dos fotógrafos pois só quem tinha pedido o credenciamento do show ficaria lá, então eu teria que fazer do meio da galera. Analizei a situação e achei que não valia a pena ficar.
Fiquei um tempo na fila do barco e fui para Krumpendorf mais uma vez, sem surpresa agora, ao chegar lá, estava rolando algo tipo uma “quermesse” com 2 palcos, um tocando rock e o outro com música suave, e diversas barracas de comida. Comi a mesma coisa que tinha comido no evento no dia anterior, só que dessa vez veio um pão junto e talher descartavel de madeira (uma das piores coisas que já usei para comer).


Segui para a caminhada até a estação, dessa vez como estava razoavelmente claro ainda (aqui está no horário de verão, mas mesmo assim escurece muito tarde +/- 8:30), reparei em algumas coisas no caminho que não tinha reparado no outro dia. Aqui sempre tem muita gente correndo a pé e de bicicleta, e no chão do caminho até a estação tinham várias frases de incentivo para quem estava correndo pixadas no chão. E a coisa mais estranha que vi até agora (tirando os xunings) uma escultura que não tinha visto nenhum dos outros dias, era tipo um mago com um porco e uma fonte. Aqui tem muitas pessoas
Cheguei na estação as 21:09, horário exato do trem, mas ele já havia passado ( ele deve ter passado muito adiantado, pois ele passou por mim no caminho quando eu estava bem longe da estação). O trem seguinte era depois das 22h, estava bastante frio eu eu estava de camiseta, então fiquei esperando dentro da parte fechada da estação (que existe justamente para isso) e 5 minutos antes do horário programado o trem passou e não parou na estação, comecei a ficar bastante preocupado, pois só tinha mais um trem, que passa após as 23h, e depois o primeiro do dia seguinte passaria só as 5h da manhã.
Para completar, estava com um puta vontade de fazer um número 2, na estação tem banheiro pago, coloquei a moeda e depois percebi que tinha um monte de papel na porta travando a porta aberta, já deu aquela impressão que não ia ser uma experiencia muito boa, felizmente estava tudo razoavelmente limpo apesar da privada estar entupida.
Na frente da estação tem um lugar escrito Dancing, não sei muito bem o que é, não tem jeito de balada pq entram algumas pessoas na faixa dos 40+, mas tambem entram alguns 25-. Aproveitei que um taxi parou lá e fui perguntar quando seria a corrida, ele cobrou 60 euros. Agradeci e já comecei a analizar onde eu ia durmir caso o último trem não parasse…


Vinte minutos antes do horário fiquei na parte de fora congelando, considerando a possibilidade de o maquista ver que tinha alguem na estação mudaria algo.
Depois de 15 minutos chegou um romeno que estava visitando uma “boa amiga” e falou que eu poderia ficar tranquilo, que a pessoa que ele estava esperando estava vindo no trem e estava tudo ok.
O trem parou no horário exato, desci na minha estação e fui congelando até o hotel. Cruzando com alguns bebados, uns caras mijando no meio da rua e uma lata de lixo jogada no meio do caminho.


Entrei no hotel e nem subi para o quarto, parei no hall e só ia usar a net no celular alguns minutos. Na parte onde fica a TV, tinha uma mulher de uns 28 anos +/-, e ela me perguntou se eu tinha um quarto, não entendi muito bem o motivo, mas falei que sim, e ela respondeu que aquela noite aquele era o quarto dela e que ela queria privacidade. Desacreditei do que estava ouvindo, mas só respondia que só precisava de um minuto e que já iria sair. Falei correndo com a minha esposa e fui pro quarto.

Ainda falta revisar o texto, mas já serve para quem está acompanhando a viagem.

3 thoughts on “Wörthersee – dia 3 (17/05) – Quase durmi na estação de trem

  1. Hhahahahahaha Guerreiro, eu não sei o que é mais “engraçado”, as situações ou sua forma de relatar as mesmas. Principalmente seu relacionamento assíncrono com os trens. AH! Curti a Af Imp com uma bela ajuda do Google Translator!!!

    Abraços.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>