Wörthersee – dia 2 – Primeiro dia de evento

Nota: estou no terceiro dia do evento, e quarto dia da viagem. Hoje cheguei mais cedo no hotel e vou aproveitar para publicar os posts atrasados. A ideia é narrar os acontecimentos conforme forem acontecendo. Depois monto um post com informações sobre opções de deslocamento, um resumo geral dos custos e dicas para quem tem vontade de vir para cá sem precisar camelar tanto como eu.

Dia 2

Quando fui dormir, estava chovendo e dava para perceber que o tempo ficaria assim durante um bom tempo. Acordei às 20h – mais tarde do que eu gostaria – e continuava chovendo (não ouvi ou não soube programar direito o relógio do hotel).
Logo desci para o café da manhã. Para os padrões daqui deve ser um café bem simples, mas, comparado aos que já tomei, estava de ótimo tamanho. Fui à recepção perguntar sobre o barco que me levaria para o evento e a dona do hotal falou que não havia nenhum barco. Mostrei para ela o que eu precisava na internet e ela me explicou como chegar no local. Ainda tive de ouvir umas gracinhas de uns suíços e engolir seco.

O ponto de embarque para o evento fica a mais ou menos 800 m do hotel em que estou e tive de esperar quase 1h sob chuva – sem guarda-chuva, claro – esperando o barco, sendo que ele demora cerca de 1h até o destino.

Ao chegar ao evento, precisei comprar o ticket de entrada, pois minha credencial ainda estava com a organização. Na sala de imprensa, todos foram muito simpáticos e prestativos, como já vinham sendo desde o princípio.

Após isso, finalmente entendi como funciona o Wöthersee. E é algo bastante simples: basicamente alguns quateirões são fechados e, para entrar nessa área com o carro, você precisa ter um papel no painel. Então, é possível ver tanto participantes do evento como locais circulando. E alem do evento principal, os participantes ficam circulando pelas cidades próximas ao evento, onde existem pontos de concentração de carros e público, como o famoso posto de gasolina, próximo a Velden, que transmite as imagens da webcam em seu site.

Mesmo no evento principal, não existe lugar marcado nem um ponto de exposição. Os carros permanecem parados em estacionamentos em hotéis, restaurantes, calçadas etc. e circulam à vontade ao longo do dia. Os únicos pontos de exposição são os estandes das montadoras e algumas áreas menores, onde há pequenos expositores e vários produtos à venda, além de várias opções de alimentação.

evento é muito bom, com vários ótimos carros das mais diversas regiões da Europa, e mesmo com o tempo chuvoso, estava bem movimentado. No entanto, diferentemente do que a maioria das pessoas pensa, os carros bem montados no Brasil não ficam devendo em nada para os daqui. E não existem apenas euro e german look, há também tuning e xuning.

Comi um “lanche tradicional” (que no momento não lembro o nome) com salsicha e molho com cury e batata frita – existem outras versões mais completas. O sanduíche sustentou bem e não senti fome o resto do dia.
Em um momento parei para organizar o equipamento e um suíço chamado Sasha começou a puxar assunto. Quando contei que era do Brasil, ele falou bem empolgado das brasileiras e passamos um bom tempo conversando.
Cruzei com um dos organizadores e ele me apresentou ao fundador do evento, que também pareceu muito simpático – mas como ele falou em alemão, não tenho certeza. Imaginei que ele deveria estar ocupado, acabei me despedindo rapidamente e depois fiquei meio grilado se havia sido mal educado ou não. Espero que não tenha sido.

No horário de voltar ao hotel, começou o estresse. Embarquei às 19h e achava que o barco voltaria para Velden. Porém, a última viagem até Velden é às 16h40. Depois disso, só vai para outras duas cidades. Como eu não sabia, acabei descendo na última parada, Krumpendorf. Na hora fiquei um pouco perdido e tentei entender os motivos, mas a tripulação não foi lá muito amigável.
A estação de trem fica a 2 km de distância e, enquanto andava, deu uma puta vontade de fazer um número 1. Já estava quase considerando a moita, eis que surge um banheiro público no meio do nada. Até fiquei com um pouco de receio de entrar, mas estava tudo superlimpo.

Próximo à estação, havia uma placa de carro com padrão brasileiro no portão de uma casa com o escrito RIO 2003. Chegando na estação não vi nenhum passageiro nem funcionário, só uma máquina de autoatendimento. Logo chegou o trem e pedi ajuda a um funcionário do trem, para saber se era aquele mesmo que eu deveria pegar. Ele disse que não estava entendendo o nome da cidade que eu iria e mandou o trem seguir. Resolvi me arriscar no autoatendimento mesmo, que tem opção de menu em inglês, e comprei o ticket.


Descobri que deveria ter embarcado no trem que pedi informação e precisei esperar mais 1h até o próximo. Quando cheguei na estação de Velden, não existia uma alma, e, no primeiro dia, havia uma fila de taxistas. Isso não foi problema, pois eu já tinha decidido que iria a pé, porque precisava comprar um xampu. Só que 21h30 tudo já estava fechado, só restavam baladas e restaurantes abertos. Um policial falou que eu poderia encontrar no posto de gasolina. Andei bastante até chegar ao posto, mas não tinha. Desisti e fui para o hotel. No caminho, vi uma fonte, tipo a do Ibirapuera, com o movimento da água de acordo com a música, além de efeitos de luz. O conjunto era bem bonito, só que a segunda música que tocou depois da minha chegada foi “Ai se eu te pego” (durante o evento, ouvi essa música tocar umas cinco vezes). Tive de filmar isso e, depois, continuei  caminhando.


Chegando no hotel, o wi-fi estava bem lento. Então, praticamente só descarreguei o material, fiz backup e procurei outra forma de ir para o evento no dia seguinte, já que não queria optar de novo pelo barco.

Infelizmente não há estação de trem próxima ao evento, não consegui encontrar informações sobre ônibus e ficaria muito caro ir de táxi sozinho. Fui dormir às 2h30.

Obrigado a todos que tem acompanhado o Blog e o Facebook. Fiquei bastante feliz com o feedback que venho recebendo e por todos os votos de sorte. Peço desculpas por não ter conseguido me dedicar mais para atualizar os acontecimentos, mas realmente estava muito complicado por aqui.

4 thoughts on “Wörthersee – dia 2 – Primeiro dia de evento

  1. Issaew Boss!!! Representa!!! Boa viagem e bom trabalho ae!!!
    No aguardo dos novos posts! XD Abraços!

  2. Muito obrigado.
    A idéia é cobrir outros eventos como esse, a dificuldade fica por conta dos custos, não é tão simples descolar patrocinios para cobrir esses eventos.
    Vlw, abraços

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>